terça-feira, 15 de julho de 2014

7 Anos de Expresso

Encontrada no site Wedinator
Então que no dia 12 de Julho foi aniversário do blog, e
Caramba... 7 anos! 

Não vou me alongar no post, porque já falei muito sobre o blog aqui.
Estou satisfeita de momentos nostálgicos por enquanto.
Hoje eu vim só comemorar e é claro, agradecer a vocês que continuam aqui ♥


 Obrigada por tudo, pessoal ♥





quinta-feira, 10 de julho de 2014

5 Coisas para fazer no Inverno


Eu acho que o título certo para esse post, deveria ser "05 Coisas que eu faria SE na minha cidade tivesse inverno". Porque olha, não tá fácil! Estou desde aquele verão-caldeirão-dumal esperando ansiosamente pelo inverno e ele não chega. Bem se sabe que no Rio de Janeiro só existem duas estações: Verão e Inferno.
Para não ser totalmente injusta, ok, o clima amenizou. Mas amenizar não é o mesmo que fazer frio.
Vejam vocês: não tirei nenhum casaco para uso até hoje :'(
Mas voltando ao assunto, além de chocolates, bebidas quentes, sopas e todas as gordice possíveis e imagináveis no inverno, vou listar o que eu acho indispensável para curtir essa estação. Vamos lá!

01 - Fazer uma viagem!



Se você é do Rio de Janeiro (que nem eu) e deseja curtir o inverno (como eu), sugiro que você faça uma viagem. Não precisa nem ser para outro estado. Eu gosto muito de ir passar friozinho em Miguel Pereira, Petrópolis. Também faz frio em Teresópolis, Paty de Alferes, Itaipava... Ou seja: sobe a serra colega, o frio gostoso lindo-duamor está lá!


02 - Edredom + Filme/Seriado + Chocolate Quente



Não consigo pensar em nada melhor do que essa combinação para os dias friozionhos em casa. Eu adoro, ADORO edredons, cobertores, cobertas fofinhas e pijamas de flanela. Se estiver frio e eu estiver em casa, esse é meu primeiro pensamento. É um bom momento para colocar aquele seriado em dia, ver aquelas indicações de filmes que você nunca consegue assistir ou até começar a assistir um seriado novo ♥
Amo!


03 - Degustar um bom vinho


Eu até acho que "vinho" e "inverno" são sinônimos sabiam? Um bom vinho, bem acompanhado de uma boa pessoa (hahaha) fazem qualquer coisa valer a pena. Só acho. Eu ia colocar comida, comer e comer. Mas olha, acho o acompanhamento com vinho a melhor parte .


04 - Encontrar os amigos


Pode ser um foundue, pode ser jogo de cartas, pode ser festa, pode ser filme, pode ser bar, pode ser jantar... pode ser o que for! Encontre seus amigos e have a fun! Você precisa esquentar sua alma também, não só o corpo. Amigos fazem isso, aquecem nossos corações! 


05 - Dormir de conchinha


Eu ia dizer que a quinta melhor coisa do inverno, era dormir. Dormir até tarde, até a hora que quiser e depois dormir de novo. Mas melhor que dormir, é dormir de conchinha! Top 01 (apesar de aparecer por último aqui)! Se você puder, faça isso todos os dias. Só isso que eu vou dizer ;)


Bônus (porque isso é para fazer em todas as estações) - Colocar a leitura em dia!



Para a maioria das pessoas, o inverno também é o mês das férias escolares. Sem a correria dos livros didáticos, dos períodos de provas e dos estudos do dia-a-dia, nada melhor do que colocar a leitura em dia. Djavan já dizia né: "um dia frio, um bom lugar pra ler um livro". Mãos a obra!

E vocês? O que mais gostam de fazer no inverno? Conta ai nos comentários, vou adorar saber!



Este post faz parte da blogagem coletiva do Rotaroots.
Quer participar?
Conheça o nosso grupo no Facebook
e inscreva-se no Rotation.


sexta-feira, 4 de julho de 2014

05 Músicas de Elvis Presley


Antes de mais nada, deixa eu explicar que essa não é uma lista de "as cinco melhores" músicas do Elvis. Mesmo porque, eu não seria capaz de escolher cinco. Nem de listar as melhores. Elvis é Elvis (e obviamente, não morreu e jamais morrerá).
Esta é uma lista das cinco músicas que eu mais ouço - do Elvis - ultimamente.
Não tem nenhum motivo especial, apenas fiquei uns dias atrás pensando em montar uma playlist de "Elvis para dançar" mas OH WAIT, BIG PROBLEM: não dá para escolher.
Então fiquei ouvindo algumas coisas e quis dançar essas cinco. Por isso fiquei ouvindo e por isso posto aqui.
Se você não conhece (ou conhece pouco) das músicas de Elvis, eis aqui cinco oportunidades para conhecer e sair do óbvio (ou não).

• Blue Suede Shoes
"You can do anything but lay off of my blue suede shoes"

Essa é uma das minhas preferidas. Você pensa: o cara diz que a mulher pode fazer o que quiser, menos pisar nos sapatos dele. Querem saber a história? A música foi escrita por Carl Perkins em 1955 e foi considerada o primeiro Rockabilly registrado na época.
Durante um show, entre as músicas, Carl ouviu um rapaz brigar com a namorada "uh-uh, não pise nos meus sapatos". Ao olhar para os pés do rapaz, Carl riu pensando "uma moça linda dessas e tudo que ele pensa é nesses sapatos de camurça azul". Taí a música!


• Hound Dog
"You ain't nothin' but a hound dog, cryin' all the time"

Hound Dog é uma canção escrita por Jerry Leiber e Mike Stoller. Um monte de gente gravou, mas é claro, a versão mais conhecida é com Elvis (é a 19ª colocada na lista das 500 melhores canções de todos os tempos da Revista Rolling Stone).


• JailHouse Rock
"Let's rock, everybody, let's rock"

JailHouse Rock é uma música do filme de mesmo nome. A cena desse vídeo faz parte dele e é considerada um dos melhores momentos do filme (eu adoro hahaha). O filme retrata a vida de um jovem transgressor e rebelde (Elvis fez três filmes com essa temática "jovem rebelde". Um é esse Jailhouse Rock, os outros são Loving You e King Creole) que vai parar na prisão depois de matar um homem sem querer. Lá conhece um ex-cantor que o ensina a tocar violão e então tudo muda. :)


• Trouble
"If you're looking for trouble, just look right in my face"

O Vídeo é um pedacinho do filme King Creole (Balada Sangrenta no Brasil) de 1985, estrelado por ele.
Elvis vive um jovem encrenqueiro, briguento e envolvido com gangues enquanto o pai só queria que ele se formasse e parasse de repetir no colegial.
Ele faz bicos de garçom e trabalha como cantor de bares à noite. Maxie Fields (Walter Matthau) é um gângster cruel e depois que Danny (Elvis) enfrenta uns capangas que agrediam uma mulher ("propriedade do gângster), ele tenta humilhar o garçom desafiando-o a cantar no bar. Claro, ele vai lá e arrasa. É essa a cena que vocês viram ali. Sugiro ver o filme por completo ;)


• Johnny B. Goode
"Go go, go Johnny go go go"

Por último,  Johnny B. Goode. Porque sim. Porque Elvis foi mesmo o Rei do Rock. Porque ele não morreu, só cansou da fama. Porque eu gosto e fim :)

Ps: EU acho que toda a discografia do Elvis merece ser ouvida e foi muito difícil fazer esse post.

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Favoritos, Internet Old School e o destino deste blog.

Das piores coisas que podem acontecer conosco, às vezes tiramos algumas ideias.
Às vezes lições ou no menor dos casos, alguma reflexão.
Eu fiquei com a terceira.


Esses dias meu computador parou. Parou mesmo, tela azul. A maioria das coisas importantes estavam/estão no hd externo como backup. Mas faz/fazia mais de um mês que eu não atualizava o backup. E além do sentimento de "aimeudeuseagora", também me deparei com a verdade de que: caramba, não tenho nem cd de um windows qualquer pra tentar reviver esse catiço de computador.
Enfim, me amem, porque eu tô rodeando a história. Poder de síntese, não me ensinaram na faculdade (mentira).

Okay. Eu de fato tenho um amigo que me salva dessas armadilhas de satanás tecnológicas há uns 10 anos.
Meu computador foi pro CTI e voltou lindo e sem sequelas. O problema foi que, um pedido de backup extremamente simples, eu esqueci de fazer a ele: os favoritos do chrome.
Agora é a parte que vocês me xingam. Vou esperar um minutinho.


Já xingaram? Voltando. 
SIM, eu sei que existem apps, programinhas e várias coisinhas que sincronizam favoritos. SIM, eu sei que logando no chrome ele salva essas coisinhas. SIM, eu sei que existem coisas como ICluod e Xmarks e coisas do gênero. Maaaaaaas... quem lembro de usar esses trecos?
De modos que (esse post vai ficar enorme) fui eu catar nos backups onde estava o ultimo que fiz dos favoritos. Encontrei, importei e pra completar, loguei no Chrome pra recuperar o que estava lá. Pandemônio.
E desde então estou vivendo de luz, porque todo meu tempo está sendo consumido na triste constatação que eu tenho um TOC duzinferno e enquanto não organizar toda essa zona, não viverei em paz.

Update: Consegui organizar tu-do. Voltei a viver.

E é agora, que eu vou entrar realmente no assunto desse post.
Há um tempinho atrás, andei organizando minhas inscrições no Bloglovin (saudades eternas GReader), excluindo feeds de blogs que não existem mais, de sites que não me interesso mais.
Quando importei os favoritos antigos novamente, revivi a mesma sensação.
De perda.
Fui olhando uma pastinha de blogs que eu costumava ver e a grande maioria não existe mais. Pessoas que eu realmente gostava, perdidas por ai sem noticias. Uma ou outra, descobri que montaram outro blog. Mas muita gente desistiu.

Não estou querendo dar uma de vovó-da-internet, mas só esse blog já vai fazer sete anos (uau) e ele não foi meu primeiro - então acho que estou apta para usar a expressão "no meu tempo".
Pois bem, no meu tempo, os blogs eram a forma on-line daqueles diários e agendas que as meninas da minha geração costumavam usar. Umas escreviam sobre seu dia-a-dia, outras sobre suas angústias e revoltas, outras escreviam poemas e colavam nas páginas tudo que é tipo de besteiras - ou tesouros. Aquele papel da bala que um bonitinho deu, os ingressos de quando foi no cinema com as amigas, o ticket daquele show imperdível, 3x4 dos coleguinhas, carta da melhor amiga, recortes de revistas (Capricho, Querida - shame on me). Enfim. Os blogs eram como nossas agendas antigas. Alguns blogs eram diários mesmo. Outros não. Tudo dependia do dono da agenda - ops, blogs.

Ninguém ganhava dinheiro, brindes e nem bugigangas para escrever nos blogs. Parceria de blog, era um botton ou banner do blog do seu amigo com link apontando pra lá. Não tinha toda essa separação de blog-de-moda, blog-de-maquiagem, blog-literário. Cada um falava do que desse na telha, do que inspirava, dos problemas ou da falta de inspiração mesmo. O pessoalzinho apelão do "me segue que sigo de volta / comenta no meu que comento no seu" sempre existiram, mas não eram uma maioria, não. A gente ia nos blogs e comentava porque gostava, pra conhecer a pessoa, pra conhecer as pessoas que comentavam lá também. 



Com todo esse tempo de blogs, a única coisa que eu posso dizer com certeza, é que eu sou grata.
Infinitamente grata a todas as leis do Universo que conspiraram para que um dia eu fosse lá e criasse o primeiro blog. Se tem uma certeza que eu posso ter nessa vida, é que conheci pessoas maravilhosas por causa do blog. Fiz amigos que vou levar pro resto da minha vida. Pessoas que são essenciais na minha vida. Alguns que eu conheci pessoalmente depois de algumas trocas de links. Outros que eu conheci através de pessoas que conheci no blog. Já recebi e enviei vários presentes pelo correio (de amigos, não de patrocinadores do blog). Já teve de tudo. Intriga, amizade, barraco e até romance. ~Apaga essa parte~ Alguns inimigos também, não posso mentir. Mas faz parte, não se pode agradar a todos.


Algumas pessoas da família perguntavam porque eu tinha um blog e onde isso iria me levar. Minha mãe mesmo nunca entendeu a importância que poderia ter. A melhor resposta que eu posso dar, é que ter um blog me trouxe o bem mais precioso que alguém pode ter na vida: Amigos! ♥

De comentário em comentário, a gente colocava o link do colega no blog. Depois trocava o msn e conversava. Adicionava no Orkut (antigamente o Orkut era legal, eu juro). Ficava amigo!
Porque gente, avalia só: você lia a pessoa, sabia da vida dela, dos problemas, dava conselhos, às vezes, dividia alegrias... Eu fiz amigos INCRÍVEIS por causa do blog. Inclusive a melhor amiga que eu tenho nessa vida, conheci por causa do blog (beijo Ju, te amo). Fui lá pra São Paulo encontrar ela - amada toda vida!
Minha amiga e mentora no universo da fotografia, também conheci por causa de blogs - hoje é chefinha.
Aliás, várias pessoas fui conhecer pessoalmente e super fazem parte da minha vida. 
São Paulo, Minas Gerais, Porto Alegre, Rondônia: amigos queridos que encontrei pessoalmente que moram nessas cidades. Outros eu ainda vou conhecer. E aqui no Rio de Janeiro, nem posso falar. Pra se ter uma ideia, sou madrinha da filha de uma amiga -muito amada- que conheci por causa dos blogs. 


Mas infelizmente (trilha sonora saudosista), as coisas mudaram muito no mundo dos blogs (que brega dizer isso). Minha queridíssima amiga Nina Vieira, blogueira das antigas que eu leio há anos, disse muito bem em seu blog um pouco desse universo de blogs famosinhos.
Esse boom de blogueiros de sucesso e seus blogs famosinhos-publicitários-trocadores de brindes-fúteis com seus lookas do dia (olhem como me vesti hoje, olhem minhas roupas importadas, minhas maquiagens de marca), andou me desmotivando e fui vendo muito o sentido de ter criado o Expresso pra Dois ir pelo buraco.
Falando sobre isso, descobri o movimento Volta Mundo Blogueiro (vocês podem ver o button deles ali do lado - estilo links que fazíamos antigamente ♥). Assim que encontrei esse projeto, descobri que muita gente pensa como eu e também sente falta dos blogs como eram antigamente. Em uma página especial, encontrei os links dos participantes e fui clicando pra conhecer. Porém, com um pouco de tristeza, notei que o projeto não estava sendo atualizado há um tempinho.

Foi aí que a Nina (de novo, rá) me indicou um grupo de blogueiros chamado Rotaroots. Mas eu que sempre me incomodei com grupos de blogueiros no Facebook - eram todos iguais: um tópico de apresentação, um tópico de links e um monte de postagens de "meu ultimo post". Tipo uma evolução dos "passa lá no meu blog" que tanto nos incomodava lá nos primórdios dos blogs. Porém o Rotaroots é um grupo super organizado e super bacana. Existem temas, desafios e memes mensais para inspirar as pessoas a escrever nos blogs. A resgatar a essência dos seus blogs. As discussões são saudáveis, as pessoas conversam ao invés de postar seus links para receber visitas (e tem um botton rotativo de links participantes, bem a moda antiga - e também já está ali do ladinho ♥ Clica lá pra conhecer gente legal). Depois disso, algo mudou. Olhei pro meu blog com carinho e tive esperanças. E a postagem que fiz afirmando não saber o que fazer aqui, talvez fique pra trás mais rápido do que eu imaginava. Estou decidida a voltar pra cá. 
Sete anos não são sete dias, horas bolas...




Meme:  Internet Old School by Rotaroots - Conheça

Ps: Sim, tenho uma vasta coleção de gifs, me amem.

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Coisas que meninas não podem fazer


     Recentemente, li no site Brainstorm9 uma matéria sobre a última campanha publicitária da P&G "Always #LikeAGirl" e já já vou falar sobre ela. Mas antes, vamos bater um papo?

     Eu fiquei pensando quantas vezes na vida, ouvi coisas desse tipo.
Eu nunca gostei de brincar de "coisas de menininha". Eu gostava de andar de bicicleta, de jogar bolinha de gude (tinha coleção), de soltar pipa (tenho cicatriz de linha com cerol nos dedos).
Eu subia em árvores, pulava o muro de casa ao invés de abrir o portão, subia no telhado quando queria ficar sozinha ou me esconder da minha mãe. Chutava a bola no portão quando estava com raiva.
Sim, eu tive bonecas e algumas eu realmente amava (apesar de sempre cortar os cabelos das Barbies), como é o caso das bonecas de porcelana que meu avô trazia da Feira Hippie de Belo Horizonte e das mini bonequinhas (as Fofoletes) que minha avó me dava.
Quando eu era criança,  minha mãe era chamada no colégio toda semana (quiçá todo dia) para ouvir reclamações que eu era muito bagunceira (nunca pra reclamar das notas, btw) e que eu batia nas outras crianças ("quem me bate também apanha"). Não me lembro, nenhuma vez, de ter chegado em casa chorando por causa de algo na escola.
Quando eu era criança, assim como todas nós mulheres, ouvia o tempo todo coisas como "isso não é coisa de menina", "isso é brincadeira de menino", "você devia se comportar que nem uma menininha" ou ainda "você parece um moleque".
Pois sim, E DAÍ? Desde que eu era criança até hoje, nunca entendi qual era o problema de não ser como as outras menininhas e brincar das coisas chatas que elas brincavam. Nunca entendi qual era o problema de jogar bolinha de gude ao invés de brincar de dar comidinha para as bonecas. De preferir um quebra cabeças do que um conjunto de panelinhas de plástico. De querer fazer karatê ao invés de balé (e acabar fazendo natação, mas isso é outra história).


     O que eu vejo nessa geração de meninas (que vai da pré-adolescência até sabe-se-Deus-quando) é que  existe toda uma preocupação com coisas como: maquiagem do dia, unhas do dia, batom novo da marca X, perfume importado da marca Y, bolsas de marca, look do dia (olhem como me vesti hoje), cabelos, roupas caras, sapatos caros, baladas, moda, dieta, ficar magra...
E existe toda uma patota de meninas, blogueiras, disseminando coisas do tipo "dicas para ser mais feminina", "como ter um namorado", como isso e como aquilo blablabla - e zero de princípios, zero de valores.
Aliás, quando falo de "valores", não é sobre o número que vem na etiqueta do que você compra, ok?

     Tem muita gente preocupada em dizer como você deve ser, mas também tem muita gente preocupada em seguir regras de gente que nem conhece.
Minhas queridas leitoras, vou deixar uma dica de como agir quando alguém quiser ditar como você deve ser ou fazer algo:

Imagem daqui

Deixa eu dizer umas coisinhas pra vocês. Aliás, vou deixar listinha bem básica para vocês refletirem:

• Se você quer emagrecer, que seja para ficar saudável, que seja porque você quer se sentir bem, que seja porque você gosta de exercício, que seja porque você quer se alimentar melhor. Mas repare bem na palavra que mais se repete na frase anterior: você. Que seja por você, amiga, não por imposição de alguém que quer te convencer que você só vai ser feliz, descolada e amada se for magra. isso é mentira! Ok?

• Se você gosta de maquiagem, use maquiagem. Se você não gosta de maquiagem, não use maquiagem!
Não fique por ai dando trela pra quem diz que mulher TEM QUE usar maquiagem, TEM QUE nada!
E se você gosta, não fique por ai dando trela pra quem diz que maquiagem demais é coisa de mulher vulgar, que seu batom vermelho é vulgar. A fuça é sua, pinta ela como você quiser! Ok?

-Ah, e se você gosta de maquiagem, mas não sabe fazer maquiagem, tem um monte de blogs, sites e youtubes de mocinhas que ensinam - e muitas delas são bem bacanas ;)

• Se você quiser comprar aquela bolsa cara, aquele perfume importado, aquela maquiagem top e roupas que custam mais do que valem, você trabalha, se esforça e compra todo tipo de bugiganga que você quiser. E olha, ninguém tem absolutamente nada a ver com o que você faz com o seu dinheiro. Ele é seu, você trabalhou e se quiser fazer uma fogueirinha com ele, o problema é seu.
Só não fica por ai reclamando que parcelou em 100 vezes aquela bolsa da Chanel que você comprou só porque todo blog de moda que você viu disse que você precisava ter uma. Você pode ter e fazer o que quiser - desde que seja realmente o que você quer, não o que querem que você queira.

• Não se leve a sério demais. Não precisa enlouquecer cada vez que você receber uma crítica. Ria mais! Se alguém disser para você algo como "isso não é coisa de menina", ria! Ou mande para aquele lugar, você escolhe. Mas não fique travada nesse lance de se levar a sério, você precisa aprender a rir mais e rir de si mesma (dica bônus). Esquece essa coisa de nhenhenhem, de polidez, de ter que ser educadinha. Esquece a pressão social, esquece esse povo que acha vulgar uma mulher gargalhando na rua. Não se cobre demais, ria mais :)

• Não se faça de vítima. Nunca, nunca e nunca. Isso é muito chato, gente. Não fique dando trela pra esses textos meia boca de "mimimi geração de mulheres criada para ser o que os homens não querem", para com esse papo de mulher encalhada. Para, para e para com esse papo de "os homens não dão valor a nós, mulheres bem resolvidas". Vou te dar uma dica: esse tipo de atitude não é coisa de gente bem resolvida. 
Não fica colocando a culpa em outras pessoas, a gente atrai o que a gente procura - e para que te dêem valor, dê-se valor primeiro. Por favor!
Não fica também nessa defensiva de "eu não sou feliz na minha profissão porque eu fiz o que meus pais queriam e não segui meu sonho". Para com isso, você fez porque você quis, você não é vítima dos seus pais. Se você fez o que eles queriam, o problema é seu, vai lá e faz outra coisa, gente! 

• E por último, e não menos importante (a lista poderia ser imensa): se você não sabe o que quer ou não sabe do que gosta: tudo bem também! Não fique aí se esforçando pra ser o que sua mãe, seu pai, seu namorado, seu chefe, seu irmão ou o que revistas femininas querem que você seja. As vezes a gente leva um tempo para descobrir. E um dia você também vai saber.


     Quando a gente é criança, os adultos sempre nos perguntam o que queremos ser quando crescermos. 
Meu irmão queria ser bombeiro, mecânico e dono de parque de diversões para brincar o dia todo sem ter que pagar. Eu nunca soube, porque minha mãe não se lembra de como eu respondia isso - então acredito que eu não respondia nada. Dos 05 até os 13/14 anos, eu pratiquei natação e adorava nadar, competir e ganhar medalhas. Em algum momento da vida, eu sei que quis ser nadadora profissional e pensava em buscar patrocínio e fazer testes para federação. Depois eu pensava que nadar demais me faria ficar com os ombros muitos largos e não quis ter o corpo igual ao das meninas mais velhas da equipe - e assim desisti de ser nadadora. Eu já quis ser atriz, modelo e trapezista. Eu já quis ter, no minimo umas dez profissões diferentes. Eu nunca soube ao certo o que eu queria fazer da vida, mas sempre soube que não queria ser nada contra a minha própria vontade. Atualmente, exerço duas funções diferentes na vida: um emprego regular que garante meu sustento mensal e meu trabalho com fotografia, que garante meu sustento emocional.
Eu tenho 30 anos e resolvi voltar a estudar. Estou fazendo uma faculdade completamente diferente do que trabalho hoje em dia. E depois de passar muitos anos me culpando por não saber o que queria, descobri que às vezes leva-se tempo para descobrir. Que tudo bem em experimentar coisas que não gosto, porque elas me farão descobrir o que eu realmente quero. Que nada do que digam "mas você tem que blablabla" eu realmente "tenho que blablabla" se eu não quiser e não gostar!
O que mais tem por ai, é textozinho chato, caga regra, tutorial de como devemos ser, agir, falar, nos comportar. MEU OVO!


     Voltando ao que me motivou a escrever esse texto enorme (meu coraçãozinho pra você que leu até aqui).
A tal campanha da P&G, quis propor uma reflexão sobre esse papo de "coisas de menina" ou de ter que fazer coisas "com o uma menina".
Para isso, levaram meninas e meninos de várias idades para um estúdio e pediram para que eles encenassem coisas como: correr como uma menina, lutar ou jogar bola como uma menina.
As adolescentes demostraram como é um esteriótipo.
As meninas mais novas, em sua inocência de criança, agiram como quiseram. (Prestem atenção na menininha de vestido rosa).
Já as adultas, após assistirem toda a audição, foram convidadas a demostrar como seria agir sem pensar em esteriótipos. 
O objetivo da P&G, é acabar com o conceito pejorativo dessa expressão. A Campanha "Always #LikeAGirl" vale um minutinho da sua atenção.

Agora assistam ao vídeo da campanha ou clique aqui para ver no Youtube:


     Essa campanha me fez lembrar de uma outra, que eu vi há algum tempo atrás.
Trata-se de um comercial produzido por uma operadora de telefonia chamada Verizon.
No comercial, a proposta é fazer os pais de meninas a refletirem sobre o modo como estão criando suas filhas. Pequenas atitudes como "não mexa com isso, deixe com seu irmão" ou "não suje seu vestido", podem fazer as meninas perderem o interesse pelas coisas que gostam.
Esse segundo vídeo, mostra EXATAMENTE o que o primeiro tenta combater.
No vídeo, uma menina aparece sendo repreendida por fazer coisas que não são próprias de uma menina. Vemos claramente a menina sendo polida, tosada. O vídeo propõe que os pais incentivem suas filhas a explorar a capacidade que elas tem, serem brilhantes.

O vídeo “Inspire her mind” (“Inspire a mente dela") foi elaborado após o resultado de uma pesquisa que apontou que que 66% das alunas do último ano do Ensino Médio se interessavam por profissões da área de Exatas, mas somente 18% acabam fazendo faculdade nessa área.

Assistam o vídeo ou cliquem aqui para ver no youtube:

Aqui tem uma versão com legenda em português

     Pesquisando sobre o vídeo para colocar aqui, descobri que o "Inspire her Mind" é o segundo vídeo de uma trilogia. O primeiro vídeo chamava-se "The Body Shop" e trazia a mensagem que meninas podem ser "mais do que apenas bonitas". Eu não encontrei esse vídeo, mas durante as buscas, encontrei um canal chamado "Be More Than Beautiful" ("Seja mais do que bonita") que possui três vídeos interessantes e quem tudo a ver com o que estamos falando aqui (clique nos nomes para assistir):


Os vídeos mostram meninas dizendo como vão ser quando crescerem se continuarmos ensinando valores distorcidos a elas. A proposta é levantar a reflexão sobre o modo como estamos criando meninas. Que tipo de coisa estamos ensinando, repetindo e perpetuando?  Vale o clique.


   Queridas leitoras, talvez eu tenha dado voltas e embolado um pouco o que eu queria dizer - sou dessas (mas vocês me amam assim mesmo, né?).
Mas pensem comigo: porque existem tantas baboseiras querendo ditar como vocês devem ser? Já pensaram nisso? Vocês podem ser incríveis se quiserem e é triste que muitas não percebem isso.

E se você tem (ou vier as ter) uma filha, não repita os mesmo erros desses vídeos com ela. Sua filha (e você também) pode ser o que ela quiser, ela pode fazer qualquer coisa sem esse esteriótipo idiota de que existem coisas de meninas e coisas de meninos. Não desestimule sua filha, não diga a ela que "menina não pode isso", "isso é coisa de menino" ou "você vai se sujar / sujar seu vestido". Se ela se sujar, caceta, ela pode tomar um banho, né? Se ela sujar o vestido, você lava ele e pronto, sem sofrimento. Para essas coisas que inventaram super-maquinas-que-lavam-roupas-e-produtos-que-removem-manchas-para-você-não-precisar-esfregar-sujeira.
Quando você pensar em falar para sua filha ou para uma menina qualquer a frase "isso não é coisa de menina", lembre-se que meninas e meninos tem as mesmas capacidades, mas a sociedade sexista acaba determinando que meninos podem fazer determinadas coisas e meninas não podem. 
Isso é bobagem, não repitam isso.

     Espero que eu tenha conseguido levantar uma reflexão saudável com esse post. Espero não ter confundido ou ter embolado demais o que eu quis dizer - é muito tempo sem escrever gente, dêem um descontinho.
Pra encerrar por hoje, eu quero deixar só mais um recado para vocês:


O resto é papo furado pra vender revista!

terça-feira, 17 de junho de 2014

Uma verdade:

Auto-Retrato

Eu não sei mais o que fazer com esse blog!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...